Novas Diretrizes da Ação Evangelizadora inspiraram os trabalhos da Assembleia Regional de Pastoral



Terminou na semana passada (29), a 57ª Assembleia Regional de Pastoral realizada no Centro de Treinamento de Líderes (CTL), em Salvador. Reunidos desde o dia 26 de agosto, bispos, padres e coordenadores das pastorais, organismos e movimentos presentes nos estados da Bahia e Sergipe refletiram sobre os novos rumos para a ação evangelizadora do Regional Nordeste 3 da CNBB.


O estudo e reflexão sobre as novas Diretrizes Gerais para a Ação Evangelizadora da Igreja do Brasil (DGAE) nortearam os trabalhos nos dois primeiros dias. O bispo de Nova Iguaçu, Dom Gilson Andrade da Silva apresentou os objetivos e estrutura das novas DGAEs. De acordo com Dom Gilson, elas trazem dois eixos importantes: a missão – que perpassa todo o documento e nos convida a uma reflexão sobre como a Igreja está fazendo a opção missionária que seja capaz de alcançar os novos tempos. O segundo eixo é a retomada da experiência das pequenas comunidades, como eram as primeiras comunidades cristãs.


Presidência do Regional Nordeste 3 da CNBB (da esquerda para direita): Dom Carlos Alberto Breis, bispo de Juazeiro (BA) e vice-presidente; Dom João Cardoso dos Santos, bispo de Bom Jesus da Lapa e presidente; Dom Vitor Agnaldo Menezes, bispo de Propriá e secretário executivo

“A imagem que nos ajuda a compreender a proposta das novas Diretrizes é a imagem da casa com quatro pilares como base da vivência da fé. São os pilares da Palavra, do Pão, da Caridade e da Ação Missionária. Nesses quatro pilares foram distribuídas as cinco urgências da ação evangelizadora que agora são os princípios da Igreja para a ação para esses tempos tão necessitados da evangelização”, explicou Dom Gilson.


Divididos em grupos de trabalho, os participantes da Assembleia avaliaram os passos dados no Regional e traçaram propostas de ação para os próximos anos. Para a coordenadora da Comissão Nacional de Leigos (CNLB) do Regional, Wilma Souza a Assembleia é uma oportunidade de celebrar as experiências vividas nas dioceses da Bahia e Sergipe. “Estamos juntos num momento de encontro entre bispos, leigos e padres. Avaliamos e planejamos as ações dos próximos anos. É muito importante parar para refletir sobre a própria caminhada”, afirmou


O bispo de Estância e referencial para a Ação Missionária, Dom Giovanni Crippa apresentou a proposta para o Mês Missionário Extraordinário que será celebrado em outubro. “A convocação do Papa Francisco é uma ocasião para que toda a Igreja repense a Missão Ad Gentes, a missão a todos os povos. E ao mesmo tempo, repensar a nossa ação missionária em nossas comunidades. Somos convidados sermos uma Igreja em saída, como sonha o Papa Francisco”, considerou.


A juventude também foi tema da Assembleia e contou com a assessoria do padre Josuel Jesus, assessor do Setor Juventude do Regional. O padre apresentou uma reflexão sobre o documento Christus Vivit, exortação apostólica pós-sinodal do Papa Francisco e chamou a atenção dos participantes para a necessidade de compreender os jovens no seu modo de ser e agir.



O coordenador da Juventude Missionária na Bahia, Wesley Barreto celebrou a escolha do tema da juventude. “A Assembleia valorizou os jovens, percebemos que temos voz e a Igreja se preocupa conosco. Para a Juventude Missionária, estar na Assembleia é uma excelente oportunidade de comunhão, como missionários escutamos as súplicas dos jovens e aqui tivemos o espaço para apresenta-las aos nossos pastores”, comentou.


Para o presidente do Regional e bispo de Bom Jesus da Lapa (BA), Dom João Cardoso dos Santos, a Assembleia foi oportunidade de partilha, comunhão e planejamento. “Agradecemos a Deus porque tudo é obra dele. Agradecemos pelos resultados que alcançamos nessa Assembleia. Especialmente a elaboração das propostas que vão inspirar os planos de pastoral das dioceses de nosso Regional. A convivência fraterna, a alegria e a participação nos trabalhos foi excelente. Só temos a agradecer por esse presente que entregamos ao Regional”, afirmou.