Solenidade da Ascenção do Senhor


Primeira Leitura (At 1,1-11);

Salmo Responsorial (Sl 46);

Segunda Leitura (Ef 1,17-23);

Evangelho (Mt 28,16-20).

Sublime é o Senhor, o Deus altíssimo, o soberano que domina sobre a terra (Sl 46, 3).

Aquele que celebramos hoje sua Ascenção nos veio com esta finalidade: tornando-se um conosco, nos tornarmos um com Ele; conhecendo os nossos passos reconduzi-los em direção ao céu; sabendo por onde andamos, nos ensinar por onde devemos andar; pisando a dureza desta terra, elevar-nos à sublime leveza das alturas. Ele veio a nós, para que voltássemos a Ele. Ele veio do céu e voltou para o céu, assim como nós viemos d'Ele e devemos voltar para Ele.

Esse é o caminho completo. Essa será sempre a linha de chegada: voltarmos ao lugar de onde partimos. E enquanto estivermos neste mundo será sempre necessário fazermos o exercício de voltarmos ao começo de tudo, recomeçar, renovar ou refazer a nossa história de vida.

Desse modo pedimos sabedoria e luz para o nosso coração, a fim de compreendermos esta vocação tão plena, à Esperança à qual fomos chamados (Cf. Ef 17s). Esperança de plenitude, de completude, de inteireza que só nos é possível quando mergulhados em Deus, quando inteiros n'Ele. É a isso que nos referimos quando tratamos de Comunhão, sermos um só com Ele, de tal modo que o mistério da Sua vida seja mistério na nossa vida.

Somente desse modo podemos vencer a paralisia (ou asfixia?) do tempo. O poeta, outrora dissera que "o tempo não para", mas muitos de nós, ou muitas vezes nós, paramos no tempo. Por vezes paramos no passado e lamentamos o que não pode mais ser mudado, senão revisto com um novo olhar. Por vezes nos prendemos a um futuro meramente imaginário e ilusório. Quando não, paralisados no vazio de um presente mal aproveitado porquê imediatista e sem o mínimo de medida. Porém, o Senhor nos chacoalha nessa liturgia dizendo: o que estais fazendo aí parados? (Cf. At 1, 11). Acorde para vida! Aproveite a caminhada e esforça-te em tuas atividades, em teus empreendimentos como quem já alcançou os planos de Deus. Esperar é verbo ativo, é também acreditar, é sobretudo confiar, mas é também partir.

O Senhor que subiu (partiu para o Pai) é o mesmo que permanece conosco (Cf. Mt 28, 20). O que caminha conosco é o mesmo que nos chama a imitar Seus passos, na alegria e nos sofrimentos. Portanto, sejamos pacientes na espera e esperançosos na partida.

Assim louvaremos ao Senhor da vida pela sua beleza e pela sua grandeza que nos circunda (Hoje o papa declarou a abertura do Ano Laudato Si') por uma atenção maior à integração plena da vida.

Igualmente, saberemos contar, narrar a história da "vida que se faz história" (neste dia mundial das comunicações sociais) sob a ótica da verdade e do bem. Como Deus que se recorda da Aliança (Cf. Ex 2, 24), haveremos de nos recordar da Sua bondade que nos fez um só povo em seu amor derrubando toda e qualquer separação (Cf. Ef 2, 14) para bem iniciarmos a semana de oração pela unidade dos cristãos lembrando que "gentileza gera gentileza."


Por Pe. Gustavo Santos de Souza Martins